Estudo dos EUA estima que vacina reduz risco de morte de crianças por gripe em 65%

CDC divulgaram novo estudo com base nos casos no país entre 2010 e 2014: 358 pessoas entre 6 meses e 17 anos morreram da doença.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, em inglês) publicaram nesta segunda-feira (3) um estudo sobre a eficiência da vacina da gripe na prevenção da morte de crianças. De acordo com os cientistas, a aplicação da dose reduz em 65% o risco de morte devido à doença em pessoas saudáveis que tenham entre 6 e 17 anos.
No caso de crianças com condições médicas de alto risco, como pneumonia e bronquite, a vacina reduziu o risco de morte em 51%. Os cientistas fizeram a estimativa da eficácia da vacina para prevenir os óbitos relacionados à gripe usando cruzamentos de dados relacionados à cobertura vacinal com dados de diferentes grupos de crianças. Esses grupos foram obtidos a partir de relatórios nacionais e uma base de dados particular.
 
O órgão norte-americano analisou os dados de quatro temporadas de alta da gripe entre 2010 e 2014. Das 358 mortes notificadas associadas à gripe com confirmação laboratorial, 291 tinham estado de vacinação conhecido - negativo ou positivo. Deste número, 74% não tinham tomado a dose contra a gripe.
 
De acordo com os CDC, "os resultados do estudo ressaltam a importância de que todas as crianças devem receber uma dose anual da vacina".
 
No Brasil, como as cepas dos vírus são diferentes, há um tipo diferente de vacina. É feita uma atualização anual das doses, assim como nos Estados Unidos. De acordo com o Ministério da Saúde, entre o dia 1º de janeiro e 18 de março deste ano, 31 pessoas morreram devido aos vírus influenza. Destes, 12% eram crianças.