Saiba mais sobre FEBRE AMARELA

A Febre Amarela é uma doença viral grave, transmitida através da picada de mosquitos em áreas urbanas ou silvestres.

A Febre Amarela é uma doença viral grave, transmitida através da picada de mosquitos em áreas urbanas ou silvestres. O principal vetor em áreas silvestres é o mosquito Haemagogus e na zona urbana o Aedes aegytpi (o mesmo que transmite a Dengue, Zica e Chikungunya). É importante ressaltar que um indivíduo não transmite a doença para outro.

A manifestação da doença é igual em ambos os casos de transmissão: calafrios, febre alta, fadiga, dor de cabeça, náuseas, vômitos e dor muscular. A forma mais grave é rara e costuma aparecer depois de alguns dias de melhora da forma branda, levando o indivíduo a desenvolver insuficiência renal e hepática, olhos e pele amarelados (icterícia) e até hemorragias.

A forma mais eficaz de prevenção da febre amarela é a vacinação. A vacina é indicada para todas as idades a partir de 9 meses de vida.

APRAZAMENTO:

Segundo a nova orientação do Ministério da Saúde a vacina contra febre amarela deve ser administrada em dose única. Não necessitando mais de reforços. 

Pessoas com mais de 60 anos que nunca foram vacinadas ou que não tem comprovante de vacinação: o médico deverá avaliar o risco benefício dessa vacinação, pois nessa idade existem mais chances de ocorrer eventos adversos.

Gestantes independentemente da situação vacinal: a vacina está contraindicada. Na impossibilidade de adiar a vacinação em situações de surtos, o médico deverá avaliar o risco benefício.

Mulheres que estejam amamentando crianças de até 6 meses, independentemente da situação vacinal: a vacina não está indicada, devendo ser adiada até a criança completar 6 meses. Na impossibilidade de adiar a vacinação devido a situações de surtos, deve-se suspender a amamentação por no mínimo 15 dias, mas preferencialmente 28 dias.

Viajantes de viagens internacionais: seguir a recomendação do Regulamento Sanitário Internacional (RSI).

Viagens para áreas endêmicas: vacinar de acordo com a norma, pelo menos 10 dias antes da viagem. O prazo de 10 dias não se aplica nos casos de revacinação.

Importante lembrar que medidas para evitar a disseminação do mosquito também são necessárias. Não mantenha recipientes abertos com água parada e use repelente. 

Fonte: Tharita Teixeira - Gerente Técnica do Imuniza